4º Módulo Formas

4º Módulo Formas

O Cabelo e sua Estrutura

MORFOLOGIA E ESTRUTURA MACROMOLECULAR DO CABELO
Nas últimas décadas, um grande avanço pode ser observado no que diz respeito às descobertas na área da ciência capilar. Estudos relacionados à morfologia, ao crescimento e aqueles inerentes à estrutura macromolecular do cabelo, foram os mais intensos. Lipídios covalentemente ligados constituído de ácido 18-metileicosanóico, por exemplo, foram identificados recentemente como sendo a estrutura de cobertura ligada à camada externa das cutículas, contribuindo para as propriedades de superfície das fibras, sendo inteiramente relacionados à penetração de ingredientes e à proteção, incluindo a quebra permanente da membrana cuticular por agressão química ou física, como processos de coloração (alteração da cor dos cabelos), alisamento, permanentes e radiação solar.
O conhecimento do desenvolvimento e formação capilar, tanto celular quanto molecular, cresce rapidamente. As estruturas e nomenclaturas das proteínas capilares, desde os filamentos intermediários, até aqueles de terminação queratina-associados, continuam em constante evolução. Por fim, o sequenciamento de proteínas do cabelo e as relações proteínas-genes, incluindo as mutações, estão começando a se encaixar de uma maneira mais significativa.
Também é reconhecido que a qualidade do material influi decisivamente no valor de um trabalho. Desde o mais hábil artesão até o mais perfeito artista plástico depende do material para realizar o seu trabalho.
Ao encararmos o tratamento dos cabelos por este prisma, especificamente o tratamento da permanente, iremos de encontro com uma situação difícil, até mesmo para um perito cabeleireiro. Em primeiro lugar, esbarramos na disposição genética da pessoa, isto é, sua hereditariedade, que é responsável pela espessura e quantidade de cabelos. Em segundo plano, há a mutação química ou mecânica dos cabelos e as influências ambientais combinadas com a idade e ainda, o resultante comprimento dos cabelos.
Ao examinarmos mais de perto os diversos critérios, poderemos fazer constatações interessantes, critérios estes decisivos para o êxito do tratamento da permanente.

Outros: Ferro, Zinco, Iodo, moléculas lipídicas e de água, além de proteínas, com mais de 20 tipos de aminoácidos, que compõem a queratina. A cistina é o mais importante, é rica em enxofre, responsável pela força dos cabelos.

OS 20 AMINOÁCIDOS QUE FORMAM AS PROTEÍNAS CAPILARES
O cabelo humano é um tecido complexo constituído de vários componentes morfológicos e cada componente consiste em várias diferentes espécies químicas. É um sistema integrado, tanto em termos de sua estrutura, quanto em relação à sua composição química e comportamento físico, onde seus componentes podem agir separadamente ou como uma unidade. Por exemplo, o comportamento do atrito do cabelo está relacionado principalmente à cutícula, no entanto, a cutícula, o córtex e seu componente intercelular atuam em conjunto, determinando a maciez do cabelo. O comportamento à tração, por sua vez, é determinado em grande parte pelo córtex, porém, mais recentemente, demonstrou-se que a integridade física da fibra ao pentear, por exemplo, é determinada mais fortemente pelos componentes não-queratinizados da cutícula, com algumas contribuições do córtex, bem como de outros componentes cuticulares.
Para simplificar e facilitar a discussão, os diferentes tipos de grupos químicos que compõem o fio de cabelo humano são descritos aqui separadamente. No entanto, para uma clara compreensão do seu comportamento químico e físico, é importante ressaltar que a fibra capilar é um sistema integrado, onde vários componentes atuam simultaneamente. Dependendo do seu teor de umidade, que pode atingir até 32% em peso, o cabelo humano consiste em aproximadamente 65-95% de proteínas. As proteínas são resultado da condensação polimérica de aminoácidos. Os principais aminoácidos que compõem o fio do cabelo normal (virgem), bem como suas estruturas químicas, são apresentados abaixo.
ESTRUTURA QUÍMICA DOS AMINOÁCIDOS ENCONTRADOS NA FORMA HIDROLISADA DO CABELO HUMANO

FÓRMULA GENÉRICA ANFOTÉRICA DOS AMINOÁCIDOS

Quando R = hidrogênio

Quando R = substituintes contendo hidrocarbonetos alifáticos


Quando R = substituintes contendo hidrocarbonetos aromáticos
Quando R = substituintes contendo grupo amino

Quando R = substituintes contendo grupo carboxílico

*Ácido aspártico e ácido glutâmico existem tanto como amidas primárias, como em ácidos livres no cabelo humano.
Quando R = substituintes contendo grupo hidroxila

Quando R = substituintes contendo enxofre

Quando R = substituintes contendo grupamento heterocíclico