4º Módulo Formas

4º Módulo Formas

A Base Química da Permanente


Com o passar dos anos, observou-se que o princípio básico da transformação durável do cabelo permanece quase que inalterado, mudando somente os meios e as vias para atingir tal objetivo, as quais se multiplicam.
Um dos mais modernos preparados para permanente é o produto de redução, que permite que as ligações cistínicas na queratina capilar se soltem parcialmente. Esta é a condição prévia e básica para uma transformação permanente.


TIOGLICOLATO DE AMÔNIA
Até hoje, somente o tioglicolato de amônia (ácido) se comprovou e se firmou como meio de redução nos modernos produtos de permanente. Mesmo os produtos mais avançados usam este princípio. No entanto, somente o tioglicolato de amônia não resolveria todos os problemas, necessitando então de uma combinação de tioglicolato de amônia e “álcali” para se ter o resultado desejado.
Sob o coletivo álcali devem-se entender produtos que servem a alcalinização de um produto para permanente, consequentemente para o cabelo.
Compreende-se as substâncias como amoníaco, monoetanolamina, carbureto de amônia, hidrogênio, etc., os quais empregados isoladamente ou em combinação com produtos de permanentes e que respondem pela compatibilidade de pele e cabelo. Esses complementos que reagem basicamente causam uma alcalinização através de um excesso de álcali (o valor pH será colocado acima de 7). Assim, no processo de permanente será alcançado um inchaço dos cabelos mais rápido, e mais duradouro.
Observa-se ainda que o efeito do tioglicolato de amônia e álcali, poderão ser misturados dentro de determinados limites, significando com isso, que em relação à intensidade de uma transformação, o mesmo efeito poderá ser alcançado com:
a. Uma parte baixa de tioglicolato e uma parte de álcali, formando um produto de permanente alcalina ou;
b. Com uma parte maior de tioglicolato e uma parte menor de álcali, formando um produto de permanente suavemente alcalino.

Ao verificarmos a carga a que se está sujeita a estrutura capilar e a tolerância da pele, percebemos diferenças fundamentais. Deste modo a combinação “b” apresenta vantagens comprovadas, ou seja, a permanente suavemente alcalina é a combinação que polpa muito mais o cabelo e o couro cabeludo.
A seguir, abordaremos os demais componentes de um produto para permanente que associados conseguem efeitos ótimos e ainda são de vital importância para a fibra capilar.


EMULSÕES E MEDIADORES DE SOLUÇÃO
São produtos que servem para conduzir combinações de difícil solução em água, com gorduras e óleos, substâncias de proteção, ou ainda óleos de perfume de forma finamente distribuída, ou seja, uma solução mais líquida ou em forma de emulsão. Por isso, evita-se a separação destas substâncias.


SUBSTÂNCIAS DE PROTEÇÃO E TRATAMENTO
Oferecer à estrutura capilar uma ótima proteção, esse é o objetivo principal quando se faz um tratamento de permanente. Há uma multiplicidade dessas substâncias utilizadas pertencentes por exemplo, ao grupo de óleos e gorduras: lanolina, glicerina, extrato de ervas, proteínas, lecitina, combinações catiônicas, etc.


ÓLEOS DE PERFUME
Destinam-se a encobrir o odor das substâncias de base, conferir ao produto um perfume e proporcionar ao cliente, bem como para o profissional, um tratamento mais agradável.


SUBSTÂNCIAS DE COLORAÇÃO
Servem para distinção de diversos diâmetros das ondas e sustentar o aspecto cosmético dos preparados.


PREPARADOS QUE FACILITAM A PENETRAÇÃO
A tarefa principal dessas substâncias é a abertura das camadas cuticulares, favorecendo o umedecimento dos cabelos na aplicação, que por sua vez será mais leve e mais uniforme. São responsáveis por uma penetração segura do produto da permanente desde a área de crescimento (raiz) até a ponta do cabelo.


ÁGUA
A água é o meio de solução para todos os componentes de efeitos ondulantes, de preparados de permanente. Com ela também se reduz a intensidade dos efeitos de alguns preparados da permanente, estes quando da fabricação utilizam exclusivamente água totalmente dessalinizada equiparando- se, qualitativamente, a água destilada.


LÍQUIDO DE PERMANENTE OU LÍQUIDO REDUTOR
Constituição e função
O líquido de permanente contém amoníaco e tioglicolato:
• O amoníaco dilata o cabelo (abre a cutícula) e suaviza a queratina;
• O tioglicolato separa as ligações entre as fibrilas, ocasionando uma mudança de posição das mesmas.

O efeito das duas químicas amolece o cabelo, permitindo a adaptação na forma do bigoudi, esse amolecimento ocorre durante o tempo de ação do líquido de permanente.

Obs.: Caso ultrapasse o tempo de ação, ocorrerá o amolecimento demasiado do cabelo e o resultado será uma ondulação enfraquecida. Ao contrário, ou seja, caso o tempo de ação for insuficiente, o resultado será uma ondulação fraca e sem duração.

O tempo de ação e a ondulação resultante

PROCESSO DE REDUÇÃO
Estado inicial: as ligações cistínicas, que são constituídas por dois átomos de enxofre (S) estão intactas.

AÇÃO QUÍMICA
A ação química dos produtos redutores está intimamente ligada à estrutura química capilar, mais precisamente às ligações de dissulfeto, que são ligações mais fortes existentes no cabelo.
Relembrando… O cabelo é formado por:

Cada um destes elementos químicos tem uma determinada quantidade de elétrons em sua camada de valência:

As ligações de cistina são formadas por 2 átomos de enxofre, os quais possuem 6 elétrons em sua camada de valência e se atraem pela eletronegatividade. Para romper estas ligações, os produtos redutores injetam no cabelo átomos de hidrogênio (H), que possuem apenas 1 elétron em sua camada de valência. Os átomos de enxofre atraem para si 2 átomos de hidrogênio, ficando assim estáveis, pois atingiram 8 elétrons em sua camada de valência. Sendo assim, as ligações de cistina se rompem.
Também acontece o amolecimento da queratina e dilatação do cabelo, formando um novo grupo:

Ligações cistínicas rompidas
Neste estágio, o cabelo toma uma nova forma, de acordo com o seu molde (bigoudi), mas precisará de uma outra ação química para endurecer nesta nova forma, que será o processo de oxidação.


PROCESSO DE OXIDAÇÃO
Neutralizante
Constituição e função:
O neutralizante tem a seguinte constituição:
• Meios de oxidação que juntam novamente as fibrilas e endurecem a queratina, evitando que o cabelo volte à sua forma anterior;
• Ácidos especiais para a neutralização do amoníaco;
• Substâncias que facilitam a penetração e garantem a neutralização efixação por todo o cabelo e seu interior.
Tem como função principalmente:
– Reconstruir as camadas cistínicas;
– Devolver ao cabelo seu pH inicial.



AÇÃO QUÍMICA
Após enxaguarmos a permanente no processo de redução, iremos neutralizar. O líquido neutralizante contém átomos de oxigênio (O); estes átomos irão captar 2 (dois) átomos de hidrogênio (H), resultando uma nova fórmula química: H2O (água).
Para religar as ligações de dissulfeto, os produtos neutralizantes agem por oxidação, ou seja, com átomos de oxigênio (O), que também tem 6 elétrons em sua camada de valência. Estes átomos entram no cabelo e, quando chegam nas ligações de cistina, atraem os 2 átomos de hidrogênio (H) que estão fixados com os átomos de enxofre (S), pois são mais eletronegativos que eles.
Surge, então, um novo composto químico, a água (H2O), a qual sai do cabelo no enxágue.
Os átomos de enxofre voltam a se atrair pela eletronegatividade, pois voltaram a ter apenas 6 elétrons em sua camada de valência.

Ligações de Cistina Religadas
Ao fim da neutralização, as ligações cistínicas estarão novamente intactas, só que em nova forma, que foram determinadas pela espessura dos bigoudis.