4º Módulo Formas

4º Módulo Formas

Condições Gerais para a Transformação do Cabelo


Na técnica da transformação, qualquer que seja esta, é preciso que haja um amaciamento do cabelo, combinado com um intumescimento, o qual baseia- se na estrutura química do cabelo e, ainda, nas propriedades físicas daí resultantes.
Observa-se, porém, neste processo de transformação do cabelo, certas partes das células serão amaciadas, quer dizer, plastificadas e em seguida, ocorrerá a estabilização da nova forma.
Quando ocorre o amaciamento (plastificação) do cabelo as ligações entre as moléculas de queratina se soltam, estas responsáveis pela firmeza e elasticidade.


AS POSSIBILIDADES DE TRANSFORMAR O CABELO PERMANENTEMENTE
Como dito anteriormente, as condições prévias para a transformação do cabelo e constatamos que a “onda à água” é uma transformação limitadamente durável que pode ser dissolvida por umidade do ar, portanto, um resultado pouco satisfatório. Você pode estar se perguntando como seria possível conseguir uma transformação mais durável, isto é, uma transformação permanente?
Para chegarmos perto desta resposta, teremos que examinar a estrutura química do cabelo, ou seja, as três ligações que dão à substância capilar (a queratina), uma estabilidade e elasticidade particular:
• As ligações de hidrogênio;
• As ligações salinas;
• As ligações cistínicas ou ligações dissulfúricas.
Na queratina capilar, com ajuda da água, são desligadas as ligações mais fáceis de se abrir: as ligações de hidrogênio. O cabelo incha, amolece e uma parte de sua elasticidade é temporariamente anulada. Caso a transformação tenha que ser durável, deverão ser atacadas as ligações cistínicas na queratina, que são mais robustas. Portanto, somente a maciez e inchaço através da umidade do cabelo não serão suficientes. Para se alcançar a abertura, de pelo menos algumas partes das ligações salinas e de cistina serão necessários outros recursos.
Essencial é salientar que não poderiam se abrir todas as ligações , caso isso acontecesse o cabelo seria destruído.
Um recurso necessário para separar as ligações salinas é a água em temperatura muito elevada, o que torna impossível sua prática em virtude da intolerância da pele às altas temperaturas. Portanto, a maioria dos produtos para ondulação reagem alcalinamente.
Para as ligações de cistina, estas mais fortes (quimicamente são vinculadas por uma chamada “cadeia atômica” – a forma mais forte que existe), para uma permanente, é necessária a utilização de produtos que são capazes de abrir, temporariamente, estas estruturas das ligações de cistina. Estes produtos são chamados “produtos redutores”, por exemplo, o tioglicolato de amônia que geralmente é usado em produtos de permanente.
Na utilização de produtos redutores, a reação química é bem complexa e se processa em várias etapas, acarretando o “rompimento” das ligações de cistina.
Tendo em vista a complexidade deste processo, não entraremos em detalhes, porém, para entendermos melhor o processo do permanente, não podemos deixar de frisar que este processo ocorre no âmbito da constituição molecular do cabelo, isto é, numa dimensão infinitamente reduzida.
O fio de cabelo tem um sistema constituído de “fibras” cada vez mais finas. A unidade estrutural biológica, a célula córtex, é constituída de fibras e que perfaz a maior parte do cabelo, as macrofibrilas.
Ampliando ainda mais a imagem do cabelo, defrontamos com uma estrutura, mais fina, pois as macrofibrilas são constituídas por microfibrilas até que finalmente, se chega às protofibrilas e às unidades da queratina capilar – grandes moléculas (macromoléculas) – cujo sistema estrutural corresponde a forma de parafuso.
As macromoléculas, em forma de parafuso, se agrupam em perfeita ordem, como um cristal, assim formam-se as fibras.
Na camada cortical existe um segundo tipo de queratina, onde as macromoléculas não são agrupadas tão perfeitamente. Diz-se que é uma “massa de argamassa ou cimento” porque os setores desse segundo tipo de queratina repousam como uma armação de aço no cimento. Nesta área, também chamada de queratina amorfa é onde se processa principalmente a ação da permanente, porque aí se encontram muitas das ligações de cistina a serem abertas. Conclui-se então: da redução somente a parte “amorfa” da queratina, no cabelo, será amolecida através da abertura das pontes de cistina.
Ao enrolar o cabelo em um bigoudi, as fibras mais finas do cabelo amaciado se “deslocam” e se reorientam na massa de queratina amorfa plastificada.
Nesta fase será necessário apenas reverter novamente a plastificação do cabelo, isto é, consolidar o cabelo na nova forma que lhe foi conferida. Para conseguir este objetivo, o ato químico será revertido. Uma vez que a plastificação ocorre por redução (OH-), a consolidação (fixação) resultará de uma oxidação (H+) com o emprego de um produto neutralizante (em geral a conhecida água oxigenada – H2O2).
Com a oxidação as ligações de cistina, novamente serão fechadas e como o cabelo ainda está macio e intumecido pela reação alcalina, a fixação reage acidamente. Com o ácido, as ligações salinas também novamente fecharão, neutralizando ao mesmo tempo, os restos alcalinos.
Deste modo, o cabelo é reconduzido ao seu estado normal e a nova forma lhe é conferida permanentemente.
Em resumo, o processo de transformação permanente baseia-se em uma extensão/distensão diferenciada do cabelo, em uma soltura e reconstituição parcial das ligações cistínicas. Para tanto, o cabelo será conduzido a nova forma através de enrolamento em um bigoudi que poderá sofrer variações, dependendo da constituição do cabelo e de acordo com o resultado desejado.
O diâmetro do cacho, em uma transformação, depende do diâmetro do bigoudi e da dilatação do cabelo e, ao levarmos em conta tal observação, poderemos chegar a conclusões importantes para a prática.
As mais importantes são:

Quanto menor o diâmetro do bigoudi, mais intensa a transformação, tanto menores os cachos.
No costumeiro enrolamento plano, onde o cabelo é enrolado como linha de costura numa bobina, a ponta do cabelo fica mais apertada em volta do bigoudi do que a parte próxima ao couro cabeludo (inserção capilar) e será automaticamente também transformada em cachos pequenos.