4º Módulo Formas

4º Módulo Formas

Explicando o Processo de Desbotamento


Explicando um possível fenômeno de desbotamento que pode ocorrer no processo de relaxamento

A cor da coloração, o tipo de alisante, o pH da formulação e a temperatura do secador e da prancha, são algumas das variáveis que podem interferir na manutenção da cor do cabelo colorido que sofre processos de relaxamento. A coloração do cabelo geralmente ocorre pelo desbotamento do pigmento natural e a inserção de um novo pigmento na cor desejada. Uma forma de conseguir essa pigmentação sem chumbo é pela polimerização de pequenas moléculas orgânicas pertencentes a classe de aminas aromáticas, que se inserem na estrutura do cabelo, principalmente no córtex capilar. A tonalidade da cor pode ser conseguida com o mesmo agente de polimerização, alterando apenas a sua quantidade, permitindo assim controlar o tamanho médio da cadeia polimerizada na estrutura capilar.
Outra forma de conseguir tonalidades diferentes é acrescentar substituintes tais como Cl (cloro) e NO2 (óxido nítrico) na estrutura molecular das aminas, permitindo assim mudar a interação eletrônica das mesmas e consequentemente a propriedade eletrônica do polímero formado a partir dessas aminas aromáticas. Como dito anteriormente, tanto o grau de polimerização como a estrutura molecular dessas aminas podem gerar tonalidades diferentes em função da interação com a luz. Um polímero de maior cadeia molecular geralmente tem a capacidade de absorver mais o espectro da luz visível e consequentemente adquirir tons mais escuros. O polímero de massa menor, ou seja, de cadeia menor, pode não conseguir absorver todo o espectro da luz visível e acabar refletindo as cores complementares.
Considerações:
As aminas aromáticas empregadas na coloração dos cabelos formam polímeros que podem estabelecer conjugações eletrônicas entre suas unidades poliméricas e assim auxiliar na absorção da radiação eletromagnética da luz. Esta capacidade é proveniente do grau de interação eletrônica entre cada unidade polimérica e de outros fatores da estrutura molecular do polímero. O grau de interação eletrônica é determinado através da conjugação eletrônica promovida pelo par de elétrons do átomo de nitrogênio do polímero e o tamanho da cadeia polimérica.
Cadeias poliméricas maiores possibilitam maior grau de interação eletrônica e consequentemente maior interatividade com a radiação composta da luz. Cadeias poliméricas menores têm menor grau de interação eletrônica e consequentemente podem não conseguir absorver toda a radiação composta da luz, e isto acaba resultando na emissão de cor.
Assim, uma argumentação que explique a mudança de cor do cabelo colorido com essas aminas aromáticas pode estar no par de elétrons do nitrogênio, responsável pela conjugação eletrônica por ressonância com os anéis aromáticos. O par de elétrons possui caráter básico e na presença de um ácido é facilmente protonado. Esta interação é quimicamente favorável e é neste ponto que a mudança de pH pode interferir no desbotamento do cabelo.
Objetivando…
Agora que já foi discutido o mecanismo pelo qual os agentes progressivos podem relaxar temporariamente o cabelo e em alguns casos causar desbotamento é interessante perguntar:
Porque a aplicação destes agentes provoca maior desbotamento no cabelo colorido de vermelho ou louro do que no preto?
As considerações que seguem têm como referência as colorações baseadas em aminas aromáticas (embora possa ser aplicado a outros processos de coloração). Nossas observações durante os estudos realizados com os agentes relaxantes temporários, aliados aos conhecimentos de química e física nos levam a supor que isto pode ocorrer por 3 razões:
1. A polimerização para formação da cor vermelha e/ou loura é resultado do tipo e do grau de polimerização da amina empregada. Polímeros de menor peso molecular, quando são protonados podem ser mais facilmente retirados em meio aquoso do que polímeros grandes da cor escura que se encontram mais presos na estrutura do cabelo.
2. Na cor vermelha e loura, em função das unidades poliméricas serem geralmente menores, há mais terminações que podem ter a amina primária.
3. Em relação ao cabelo colorido de preto, o córtex do cabelo colorido de vermelho e louro pode estar menos saturado com o polímero, portanto a penetração dos agentes relaxantes temporários pode ser facilitada.
A tração mecânica aumenta a cinética das reações descritas para explicar a causa do desbotamento?
Avaliando o efeito da escovação sobre o desbotamento, verifica-se que o processo mecânico arrasta também os pigmentos, favorecendo a mudança de tom, mas a causa principal é a ação do ácido, pois podemos observar um tom mais claro, na mecha que não sofreu escovação.
A temperatura aumenta a cinética das reações?
Sim, a temperatura aumenta a cinética das reações pois oferece a energia necessária para atingir o estado de transição entre a quebra de ligações e a formação de novas, processo que sempre requer energia.
O pH interfere no desbotamento do cabelo?
Sim, pelo fenômeno conhecido como PROTONAÇÃO.
As substâncias ácidas, utilizadas nos processos de realinhamento capilar, geram H+, prótons que quimicamente apresentam afinidade com a estrutura dos pigmentos artificiais das colorações e quando em contato com estes, facilitam o processo de retirada destes referidos pigmentos, resultando em desbotamento do cabelo.

OBS.: SEMPRE APLIQUE UM PROTETOR TÉRMICO ANTES DE PROCEDER COM A ESCOVA E A PIASTRA!




TRATAMENTO SOHO:
• Comprimento A = 50 ml
• Comprimento B = 100 ml
• Comprimento C = 170 ml

REFERÊNCIAS

HALAL, J. Tricologia e a Química Cosmética Capilar – Tradução da Quinta Edição Norte-Americana – São Paulo: Cengage Learning, 2014.