4º Módulo Formas

4º Módulo Formas

Os Processos de Mudança de Formas dos Cabelos


Existem duas maneiras para mudar a forma dos cabelos:

TEMPORÁRIA
Não requer ação química, apenas mecânica.
O resultado vai durar até a próxima lavagem.
O simples fato de molhar os cabelos com água e, em seguida, promover algum tipo de ação mecânica, já modifica sua forma original, que retorna ao formato original com uma simples lavagem.
Ex: Escovas, baby-liss, piastra, etc.


PARA RELEMBRAR:

Do ponto de vista anatômico-funcional, o cabelo humano é um apêndice contendo queratina que cresce a partir de grandes cavidades ou sacos chamados folículos. Folículos pilosos estendem-se desde a superfície da pele através do estrato córneo, partindo da derme e passando pela epiderme.
PERMANENTE
Requer ação de uma substância química e de uma ação mecânica.
O resultado vai durar até que o efeito da técnica tenha desaparecido.
Ex.: ondulações (permanentes), relaxamentos, alisamentos, etc.
Para mudarmos a forma dos cabelos é preciso conhecer as ligações que são responsáveis pela coesão da queratina.

Do ponto de vista químico, o cabelo é um polímero biológico proteico formado por um tipo específico de queratina, com alta cristalinidade, denominada α-queratina. O grande diferencial da queratina comparada a outros tipos de proteínas é o grande conteúdo de enxofre (S) presente nos aminoácidos, derivado do ácido cisteico. Quando presentes em cadeias próximas, os aminoácidos criam ligações covalentes enxofre-enxofre (S-S), que conferem grande resistência mecânica aos fios de cabelo.



Morfologicamente, o cabelo pode ser dividido em três camadas distintas:

CUTÍCULA
Camada mais externa do cabelo, formada por sobreposição de várias camadas de células cuticulares (em torno de 5 a 10), apresentando um grande número de conteúdo cisteico. Promove proteção do córtex e é a principal interface com o meio externo. É nessa região que se observam os principais efeitos macroscópicos relacionados à superfície, tais como penteabilidade, desembaraçamento, brilho e aparência geral dos cabelos.
CÓRTEX
Essa região constitui a maior parte da massa do fio do cabelo. Pode- se identificar também, grânulos de melanina cujo tipo, tamanho e quantidade são responsáveis pela cor dos cabelos e pela sua fotoproteção natural. É formado por fibras alinhadas na direção do fio (macro e microfibrilas) nas quais estão contidas as α-hélices de queratina, comumente conhecidas como α-queratinas. A justaposição destes filamentos confere ao fio de cabelo propriedades elásticas e resistência mecânica. No córtex é onde os processos químicos envolvendo descoloração, alisamentos, permanentes e algumas colorações exercem sua ação. Maiores detalhes destes processos, em especial aqueles destinados ao alisamento e alinhamentos dos fios, serão abordados em momentos específicos neste documento.
MEDULA
É a região central da fibra e pode ser ausente ou descontínua em alguns casos. Como contribui pouco para as propriedades mecânicas e químicas dos cabelos e, devido à dificuldade em isolá-la, recebe pouca atenção científica pois apresenta praticamente nenhuma função no cabelo humano.



Apesar das definições clássicas quanto à anatomofisiologia dos cabelos, há questões que devem ser levadas em consideração no momento da escolha do melhor método de tratamento químico ou físico dos cabelos, dentre elas, a diferença entre etnias.
DIFERENÇAS ÉTNICAS RELACIONADAS À MORFOLOGIA CAPILAR
Os diferentes tipos de cabelo podem ser classificados genericamente em três grandes grupos, cuja distinção origina-se, principalmente, pela diferença na elipticidade:
I. Caucasianos
II. Orientais (ou mongóis)
III. Afro-americanos (ou crespos)